A dica de tênis é como um mantra entre rodinhas de conversa de corredores. Comum, sempre bem vinda para pesquisar opiniões, mas exige cuidados.

Talvez a dica do amigo seja a “cereja do bolo” que faltava para a sua performance. Talvez também seja a responsável por sua lesão. Logo, nem sempre seguir a dica de tênis do colega running é uma boa pedida.

Por que? Explicamos.

Cada um é cada um

A estrutura física do seu corpo é algo só seu. Único. Sua estrutura pode ser muito parecida com a do seu amigo, mas, assim como seu DNA, ela é única.

Os fabricantes de tênis sabem disso e por esse motivo lançam vários modelos. Uma mesma marca tem uns 5 modelos diferentes na prateleira justamente porque cada um se adequa melhor a um tipo de usuário.

Existem formatos de pé semelhantes, mas qual é o seu especificamente? Como é a sua coluna? Qual o seu peso? São aspectos da estrutura corporal que fazem o mesmo tênis servir para um amigo e não para você.

Sua pisada pode ser igual a do seu amigo. Ambos podem usar tênis para pronada, por exemplo. Contudo, seu pé for mais “gordinho”, então a pisada pode ser igual, mas um tênis mais “fino” na ponta vai te incomodar. Isso é a estrutura corporal, uma variação que, mesmo sutil como o formato do seu dedão, pode fazer toda a diferença.

Ou você tem uns 30 quilos a menos que seu amigo. Então não precisa de um tênis com tanto amortecimento e vai andar com um item pesado nos pés, dificultando a performance, sem necessidade.

Metas diferentes exigem tênis diferentes

Os mesmos conselhos valem para o foco do treino ou a meta de corrida. Sempre tem aquele amigo do “fiz uma maratona com este tênis e não me arrependo”. Beleza, conselho legal. E do que adianta ter um tênis para maratonista quando você só corre 10 km no máximo e não faz longão? Pense nisso. Investimento alto (tênis para longas distâncias são de maior custo) sem necessidade.

Seu foco é velocidade, fazer um percurso com pace baixíssimo? Então amortecimento em excesso é peso a mais nos pés. Ou você não está tão em forma assim? Um tênis com pouco amortecimento não absorve o impacto como o necessário, causando dores nos pés, panturrilhas e, em casos mais graves, lesões na coluna.

Para saber, só calçando mesmo

Ouvir as dicas dos amigos sobre qual o melhor tênis para performance é legal, mas seguir sem provar não é uma boa pedida. Há quem entre no site e compre baseado apenas nos comentários de coleguinhas e artigos de sites e revistas. Um erro.

O melhor tênis é aquele o qual você se sente bem desde o primeiro segundo. Ele vai folgar sim com o tempo, mas até lá usar um sapato apertado e perder as unhas do pé não faz parte do processo natural. É uma questão de ajustar seu calçado adequadamente.

O mais caro não é melhor mesmo que seu amigo tenha feito uma maratona com ele. Se você provar e incomodar o dedinho do pé ou precisar usar o cadarço no limite, algo não está legal.

Use porque você gosta, não machucou seu pé, te faz treinar com conforto. E não porque um vídeo, um amigo ou um “especialista” de blogs te disse que era o melhor tênis.

*esta coluna é de opinião pessoal dessa que vos escreve. Você pode concordar ou discordar, mas a escrita e direito à livre opinião é um direito de todos. 

Artigo anteriorPapo Running – Como sair bonito na foto de corrida?
Próximo artigoSim, existem preconceitos na corrida de rua

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui