Quem se machucou sabe o quanto é doloroso. Há o processo de aceitar a suspensão dos treinos. Depois vem a parte de assistir seus amigos correndo sentado no sofá. E quando falamos de repouso total por meses, temos um momento difícil para superar. A lesão é algo ruim e é fato incontestável. Contudo, é muito pior ter medo dela.

Ter medo é natural. Faz parte do viver.

Crianças são destemidas. Elas correm entre os carros sem medo de morrer. Ou pulam muros perseguindo uma pipa. Além disso, pedalam em velocidades altas sem medo de ser feliz só pela emoção. Adolescentes saem com celular na mão sem relevar a possibilidade de um assalto. É com a maturidade, a idade e experiência que surge o medo.

Sentir medo de algo depois que ele aconteceu é comum. Chamamos de trauma. A psicologia explia que o trauma deixa marcas. Com a experiência adquirida temos medo de acontecer de novo porque descobrimos que não era apenas um devaneio. Há um risco.

A dor ao correr, o período longe do que se ama e o medo de acontecer de novo é um trauma. Parece estranho para alguns que nunca se machucaram correndo e não tiveram que passar por fisioterapia. Ou nunca, por exemplo, perderam prova e temeram não conseguir mais correr do mesmo jeito. Contudo, isso existe e é real. O medo de acontecer algo ruim é péssimo de sentir. É uma sensação de que tudo pode dar errado a qualquer momento.

Tudo o que nos faz sentir dor ou sair da zona de prazer gera medo. É do ser humano sentir medo. Faz parte do nosso sistema de defesa. O medo nos força a ser cautelosos em várias situações. E isso é bom. Evita machucados físicos ou emocionais. Contudo, é uma barreira a ser ultrapassada.

O medo não pode te impedir de correr

Machucar-se é um risco que corremos todos os dias e não estamos falando apenas da corrida de rua. Contudo, ele não pode nos impedir de viver.

Precisamos sair de casa no mínimo para comprar comida, concorda? Podemos levar uma “topada” na rua e quebrar o pé e ficar de cama. Foi uma lesão e não tem relação com a corrida. 

RELACIONADO: Todo corredor vai se lesionar um dia?
RELACIONADO: O que a massagem pode (ou não) fazer pelos corredores?
RELACIONADO: Fuja da fisioterapia, consulte um fisioterapeuta

O mesmo vale para o esporte o qual amamos tanto. Ele envolve riscos como qualquer outra ação executada por um ser humano. Sair na rua, passear no parque, andar de carro ou viajar de avião possuem riscos. Como podemos deixar de fazer tudo isso? 

Uma lesão é uma coisa ruim que acontece com o corredor. Infelizmente está fadada a acontecer com todos. Assim como chutar a quina da parede, quebrar o dedinho e não correr por longos meses. Como tudo na vida, acontece. São fatalidades as quais podemos aprender com ela e estudar formas de evitá-la. 

Se te faz feliz, corra! 

Lesões são de curto, médio ou longo prazo. Elas se assustam? Sim! Vale a pena ter medo de voltar às ruas ou à pista para não se machucar de novo? Não. É algo a ser superado como tudo na vida. 

O sentimento de medo é algo natural do ser humano. Acima de tudo, faz parte da trajetória de viver e acumular experiência. E é um prazer a mais superá-lo. Contudo, se seu medo é tão extremo que te faz derramar lágrimas, procure ajuda. Converse com um amigo ou profissional da área de psicologia porque todo trauma é superável com ajuda. Às vezes uma palavra amiga é o suficiente.

Artigo anteriorOlinda recebe última etapa da Corrida Autismo Run em abril
Próximo artigoCorrida de São José será realizada em Vertentes

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui