Alguns atletas desenvolvem naturalmente a corrida de rua. É como se já tivessem nascido com o tênis. Já outros batalham, suam a camisa e insistem em melhorar até chegar ao auge. O que ambos têm em comum? A persistência.

Persistência é o ato de insistir, de manter-se firme em seu ideal e não perder o foco. É querer correr 5 km em 15 minutos e batalhar. Ou uma maratona em 2h. Treino após treino, dia após dia até conseguir visualizar no visor do seu cronômetro o tempo almejado.

Por que estamos falando disso? Porque às vezes falta persistência. Não conseguir alcançar uma meta na primeira tentativa faz muitos se acomodarem em sua zona de conforto porque é legal ficar por lá. Sabemos disso. É colocar na cabeça a frase simplista que “não é pra mim esse lance de longas distâncias” e ficar quieto.

Insistir é a chave do sucesso

É na insistência que se fazem os grandes atletas. Eles caem, lesionam-se, erram saltos e às vezes fazem isso em eventos mundiais. Transmitidos ao vivo, hein! Mas mesmo assim superam, voltam a treinar e conseguem.

Muitas são as barreiras as quais tiram um atleta do foco ou se colocam como montanhas insuperáveis em primeiro olhar. E é ai que entra a persistência. Sorrateira, ela vai te mostrar que aquela montanha não é tão grande ou até é, mas é superável. Depois de percorrer todo o trajeto a tendência é pensar: “eu seria muito burro se tivesse desistido lá atrás”.

Todas as barreiras são superáveis

Para um corredor de rua pode faltar apenas a persistência para alcançar seu objetivo.  Há casos insuperáveis? Sim, com certeza, como tudo na vida. Contudo, até mesmo uma amputação ainda te mantém um atleta PCD, se assim você quiser. No geral, tudo é possível de superar se você quer mesmo alcançar uma meta.

O segredo está em buscar a sua motivação e insistir nela. Refletir, olhar para si mesmo e dizer: “eu consigo”. Também é importante se conhecer e ter paciência consigo mesmo porque cada um de nós tem uma jornada a percorrer. Temos nossa história e nosso caminho. Seu trajeto não é igual ao do amigo mesmo os dois tendo começado a treinar junto. Portanto, respeite o seu processo.

O que não dá é, por exemplo, ao final de 30 dias de treino desistir porque seu tempo não consegue baixar nos treinos. É preciso confiar no processo, realizar as mudanças necessárias e persistir. Porque no final vai valer a pena.

Artigo anteriorMeia Maratona será realizada em Gravatá
Próximo artigoOlympikus lança o primeiro tênis de placa de grafeno do mundo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui